Conheça o nosso modelo de Governança e Gestão de Risco

Nosso modelo de gestão está orientado pelas boas práticas de Governança Corporativa e de Gestão de Riscos, com foco na transparência, na responsabilidade pelos resultados e na disponibilização de informações adequadas para a tomada de decisão.

A Midway gerencia o risco por meio de uma abordagem abrangente em suas decisões, sempre aprimorando seus processos e controles internos para alcançar os padrões e exigências estabelecidos pelo Banco Central do Brasil (BACEN). Segue abaixo um breve descritivo desses tipos de riscos:

Conforme determinações do Conselho Monetário Nacional, por meio da vigente, a Midway Financeira implementou sua estrutura de Gerenciamento de Risco Operacional de forma compatível com a natureza de suas operações e com o seu porte. Segundo norma vigente, o Risco Operacional é definido como a possibilidade de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos que impactem na realização dos objetivos estratégicos e operacionais. Inclui também o risco legal, associado à inadequação ou deficiência em contratos firmados pela Instituição, bem como a sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e a indenizações por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pela Instituição. Com base nesta definição, o gerenciamento deste risco é feito pela área de Compliance e Controles Internos, a qual tem como objetivo dar o suporte aos gestores das áreas da Instituição nas decisões, buscando a correta identificação, avaliação, monitoramento e mitigação dos riscos. Para isso, a estrutura possui uma metodologia e instrumentos com a finalidade de garantir a qualidade do ambiente de controles internos e gestão de riscos operacionais aderentes às políticas internas e regulamentações vigentes.

O risco de mercado é definido como a possibilidade de ocorrência de perdas financeiras decorrentes da flutuação nos valores de mercado de exposições detidas por uma Instituição Financeira. O objetivo do controle de risco de mercado é apoiar a gestão do negócio, estabelecer os processos e implementar as ferramentas necessárias para avaliação e controle dos riscos de mercado, possibilitando a mensuração e acompanhamento dos níveis de apetite a risco definidos pela administração. O processo de gerenciamento e controle de risco de mercado é regido pela Política de Risco de Mercado, aprovada pela Diretoria, a qual estabelece os limites máximos de exposição por fator de risco.

O gerenciamento de risco de crédito é regido pela Política de Risco de Crédito, aprovada pela Diretoria, tem o objetivo de apoiar a Alta Administração no processo decisório, definindo estratégias e políticas, estabelecendo limites operacionais, mecanismos de mitigação de risco e procedimentos destinados a manter a exposição ao risco de crédito em níveis considerados aceitáveis pela administração.

O risco de liquidez é definido como: A possibilidade de não ser capaz de honrar eficientemente suas obrigações esperadas e inesperadas, correntes e futuras, inclusive as decorrentes de vinculação de garantias, sem afetar suas operações diárias e sem incorrer em perdas significativas; e a possibilidade de não conseguir negociar a preço de mercado uma posição, devido ao seu tamanho elevado em relação ao volume negociado. O gerenciamento de risco de Liquidez é regido pela Política de Risco de Liquidez, aprovada pela Diretoria e visa organizar, avaliar e monitorar o risco de liquidez da Instituição, estabelecendo os processos, ferramentas e limites necessários para análise de cenários prospectivos de liquidez e o acompanhamento dos níveis de apetite aos riscos estabelecidos pela Alta Administração.

A Midway implementou sua Estrutura de Gerenciamento de Capital cujo os principais objetivos são:

  • Apurar, monitorar e controlar o capital disponível;
  • Avaliar e adequar à necessidade de capital face aos riscos que a Instituição está sujeita;
  • Apurar e controlar o capital mínimo exigido, segundo as disposições do BACEN;
  • Planejar a necessidade de capital em função dos objetivos estratégicos e orçamentários;
  • Implementar controles internos para adequação da necessidade e gerenciamento do capital.